Ianalítica

Ianalítica Consultoria & Treinamento

Treinamento Técnico com Aprendizagem Conectada.

Ianalítica Consultoria & Treinamento

Treinamento Técnico com Aprendizagem Conectada.

técnicos em analisadores

Técnicos em Analisadores Industriais​

Como manter os analisadores funcionando de forma confiável e ir além?

Até os anos 90 os analisadores online eram difíceis de operar e manter, tinham problemas de confiabilidade nos resultados e a maioria dos problemas estão relacionados a calibração e amostragem.

Os analisadores industriais ou analisadores online, dos termos em inglês , “online analyzer e process analyzer”, são muito diversificados e cada vez mais utilizados em aplicações relacionadas ao meio ambiente, ao manejo e tratamento de efluentes poluidores líquidos e gasosos, ao monitoramento contínuo de propriedades físico-químicas desses efluentes antes, durante e após o processamento. 

Em 2020, até antes da pandemia do coronavirus, a remuneração média mensal dos profissionais que trabalham com analisadores industriais varia de US$370 a US$900 para o nível médio e de US$750 a US$1800 para os níveis de graduados em engenharia.

A tecnologia tornou os analisadores online mais confiáveis e fáceis de operar, mas eles ainda exigem uma atenção especial na seleção e manutenção.

Os analisadores instalados na planta realizam de forma automática as análises padronizadas para medições de um componente de uma amostra tomada diretamente no processo. Dessa forma a manutenção dos analisadores instalados no processo industrial é sempre um grande desafio.

Durante o ciclo de vida de um analisador, profissionais de diversas se envolvem com seu funcionamento, desde a especificação de compra, projeto de instalação, partida e manutenção de seu funcionamento. Esses profissionais incluem: Estudantes de nível médio e graduação, técnicos de instrumentação, de analisadores, de química e de automação, engenheiros de automação, de produção, profissionais de manutenção e operadores, supervisores, profissional de engenharia de aplicação, fornecedores, eletricistas, técnicos de turno, projetistas, profissionais do meio ambiente e outros.

Abaixo alguns tópicos que detalham melhor os serviços de manutenção dos analisadores instalados em plantas industriais:

O projeto de sistemas com analisadores contínuos inclui: levantamento de dados de operação e de instalação, especificação dos analisadores, alinhamento normativo, definição de requisitos mínimos de instalação, composição do sistema de amostragem, abrigos e acompanhamento do fornecimento.

Mesmo com a modernização tecnológica e a utilização se sensores mais robustos e novos métodos de análise, o fato do analisador lidar com amostras do processos com temperaturas, pressões e vazões variadas, com teor de umidade e material particulado, se torna um fator de de grande dificuldade. Por outro lado amostras com misturas gasosas em fase líquida são difíceis de se manter íntegras no trajeto do processo até o analisador, o que pode trazer problemas de representativa de resultados.

Os técnicos precisam manter uma rotina preventiva adequada, com controle metrológico, insumos e procedimentos estruturados conforme a sua demanda de intervenções. Os analisadores podem possuir muitas partes frágeis e trabalhar com reagentes e amostras corrosivas o que requer deste profissional muito cuidado e capricho nas intervenções, o que pode representar um diferencial, evitar reserviços, acidentes e prolongar a disponibilidade operacional do sistema analítico.

Dependendo da complexidade do sistema analítico e da interação com o processo, o diagnóstico de falhas podem se tornar um grande desafio. As equipes de manutenção precisam estar bem capacitadas, conhecer cada aplicação, ter uma boa documentação, conviver  no dia a dia com a operação do analisador no processo, estudar seu modo de falha, observar a dinâmica do processo normal e em manobras de paradas, partidas e mudanças de carga, utilizar os recursos de auto diagnóstico e planejar ações preventivas e preditivas que possam contribuir para a diminuição de falhas não previstas. Um bom relacionamento com o suporte técnico do representante ou fabricante do analisador pode ser de grande ajuda nas horas de dificuldade.

Um outro ponto que acaba implicando no resultado é que uma aplicação analítica online inclui além de analisadores, válvulas, dosadoras, bombas e transmissores de vazão. A malha precisa estar em automático e bem sintonizada para que os resultados sejam alcançados.

O investimento num sistema analítico online pode ser alto e precisa mostrar resultados e ser ferramenta útil na otimização do processo.

Numa planta industrial de de grande porte de processo contínuo do tipo geralmente a quantidade de instrumentos de campo como de: pressão, nível, temperatura, vazão, é bem maior do que de analisadores online, o que leva a ter equipes menos numerosas de especialistas em analisadores.

As equipes de manutenção dos analisadores contínuos empenham-se em manter o nível de confiabilidade exigido para operação da planta, para isso o dimensionamento da equipe, a infraestrutura (sobressalentes, ferramentas, reagentes e padrões) e a capacitação são fundamentais. Sempre haverá espaço para  otimizar os recursos eliminando atividades e custos desnecessários.

O dimensionamento da equipe de manutenção é sempre um caso polêmico para quem está acostumado com a instrumentação “convencional”, analisadores ainda exigem mais cuidados, planos de manutenção mais elaborados e dinâmicos e talvez com uso de uma maior relação de técnicos por instrumentos. Dessa forma o dimensionado e qualificação da equipe impacto no custo e é uma questão estratégica do serviço de manutenção.

Uma boa integração do fornecedor com o usuário é desejável em todas as etapas da implantação, desde o projeto básico, caracterização da amostra, especificação, transporte, instalação, comissionamento, start up e operação na planta.

A capacitação, motivação e comprometimento da equipe de manutenção dos analisadores é fundamental, em vista da interação que os sistemas analíticos tem com o processo, de eventuais manobras operacionais e de alguma dificuldade para se diagnosticar de forma correta

Muitas ocorrências em analisadores se dão fora do horário administrativo, ter um plano de suporte com plantão pode evitar que a intervenção seja executada por alguém que desconheça o sistema analítico, o que pode se agravar em sistemas mais complexos.

A ianalítica tem realizado vários cursos sobre analisadores industriais, nas modalidades in company e EAD.

A contratação dos serviços de manutenção depende do tipo de negócio que a empresa resolve adotar e da criatividade das equipes de contratação. É sempre dito que o bom negócio é aquele em que os dois lados ganham, mas na realidade os interesses das partes envolvidas numa contratação precisam ser mediados dentro do que cada uma acha razoável.

Independente do tipo de contratação, comportamentos como comprometimento, cuidado e esmero na execução e pró-atividade no atendimento e outros competências específicas podem fazer a diferença entre o fracasso e o sucesso em análises online.

Nos últimos 40 anos a engenharia e gestão da manutenção evoluiu muito, com o uso de computadores, de softwares de programação ( CMMS integrado ao ERP), de estratégias de manutenção mais adequadas como: inspeções, preventiva por tempo, preventiva por desempenho, preditiva, manutenção por oportunidade, manutenção em paradas, RCM, TPM e outras).

O fluxo do atendimento que antes iniciava com uma Ordem de Serviço (OS) emitida pelo operador e era analisada antes para definir escopo, prioridade e recursos, na indústria 4.0, com o uso da comunicação de instrumentos em rede, aprendizagem de máquina e inteligência artificial, tende a seguir outros caminhos conforme os algorítimos de se criarem para gerar a programação dos serviços.

Profissionais próprios.

Esses são os tipos de serviços realizados por mão de obra contratada pela própria empresa. Nessa modalidade o profissional se alinha a política, gestão e objetivos da empresa, fazendo parte de seus quadros de funcionários, com todos os direitos e obrigações advindas.

Serviços terceirizados

Apesar de já ser comum em segmentos como vigilância patrimonial, cozinha e outros, a partir do final do século XX, a terceirização de serviços passou a ser defendida na área industrial, visando liberar a empresa para se concentrar apenas nas atividades fins de produção.  Nessa modalidade o profissional passa a ser um prestador de serviços, alinhados aos objetivos, políticas e gestão da empresa terceirizada prestadora de serviços. Essa terceirização pode atingir vários setores corporativos como: administração,  serviços de informática, manutenção, análises, elétrica, mecânica, instrumentação, TI, automação, limpeza industrial e outros.

Tipos de contratação de serviços comuns em instrumentação:

  • Manutenção por período determinado
    • Escopo e preço fixos por serviço.
    • Escopo fixo e pagamento por performance dos serviços (KPI).
  • Manutenção especializada sob demanda (suporte fornecedor).
  • Por resultados da medição com escopo determinado e controle metrológico.
  • Outras modalidades de contratação

Há diversos prós e contras a cada modelo de contratação uma vez que isso influencia na qualidade dos serviços prestados, na motivação dos profissionais e no seu comprometimento com metas e indicadores de desempenho.

O estudo, a formação e o desenvolvimento profissional para a instrumentação analítica pode ser considerado como uma especialização dentro da disciplina de instrumentação industrial, com aplicações voltadas ao monitoramento, controle, segurança e qualidade do produto.

Cada vez mais na formação profissional, atualmente as questões como custo, deslocamento, flexibilidade de horário, interatividade e uso de recursos multimídia pesam muito na hora de escolher uma solução de capacitação. O aprendizado online é mais barato, mais acessível a qualquer horário e de qualquer lugar, no entanto somente a aplicação prática, com modelos específicos e dentro do processo produtivo, pode consolidar o aprendizado teórico e desenvolver habilidades correlatas de manuseio desses equipamentos e outras competências necessárias para um bom profissional.

Alguns cursos de instrumentação de nível médio em entidades reconhecidas como SENAI e IFES tem na sua grade dos cursos de instrumentação e automação uma disciplina onde se pode ter uma visão geral dos analisadores industriais, algumas dessas entidades dispõem até de laboratórios para atividades práticas.

Consulte os  cursos nas modalidades EAD e in company da Ianalítica sobre analisadores industriais.

Normas aplicadas na manutenção de instrumentos e analisadores  industriais:

  • A norma NBR 5462, fala sobre confiabilidade e mantenabilidade;
  • A norma ISO IEC 17025 é a referência internacional para laboratórios de ensaio e calibração;
  • A série ISO 55000/1/2 falam sobre padrões, escopo, requisitos e diretrizes para a gestão de ativos;
  • A  norma ISO 13374 fala sobre o monitoramento de condições e diagnósticos, que podem também se aplicar aos analisadores online;
  • A norma ANSI 0305-34 fala sobre documentação técnica e listas de verificação para a manutenção;
  • A norma EN 13460 fala sobre documentos técnicos, registros, informações do produto, manutenção e etc;
  • A norma ASTM D3764 fala sobre práticas de manutenção e performance para sistemas com analisadores de processo;
  • A norma EN 14181 fala sobre padrões e procedimentos para garantia da qualidade em sistemas de monitoramento de emissões.

OBS: Além das normas citadas acima, há muitas outras que se aplicam à instalação, calibração, validação e manutenção dos analisadores no processo industrial.

Ir além de manter a operação contínua dos analisadores, requer  ações como:

  • Projetar o sistema analítico dentro das boas práticas para manter uma amostra representativa e estável, com a seleção dos analisadores robustos e adequadas dentro da sensibilidade e metodologia mais adequada para cada tipo de análise.
  • acompanhar projetos e manutenção com equipes multidisciplinares, aproveitando as paradas de manutenção como oportunidade de capacitação;
  • avaliar custo X benefício advindos da automatização do sistema de amostragem, com a inclusão de alarmes, purgas, limpeza automática e até algum tipo de redundância.
  • principalmente em sistemas mais complexos pedir garantia de performance nos fornecimentos e fazer uma análise de falha potencial (RCA-FMEA) para subsidiar a manutenção;
  • conhecer o princípio de medição, as normas e o funcionamento;
  • observar o funcionamento do sistema analítico no processo e monitorar sua operação de preferência remotamente;
  • fazer um controle metrológico adequado, com padrões e acompanhamento por laboratórios de análises certificados;
  • desenvolver um plano de manutenção baseado na confiabilidade (RCM), com estratégias adaptáveis;
  • utilizar indicadores de desempenho da manutenção (KPIs);
  • manter toda a malha de instrumentação do elemento de medição até o  elemento final de controle, bem dimensionada, disponível, ajustada e sintoniza de forma adequada;
  • otimizar a aplicação buscando o retorno do investimento e acompanhar o ciclo de vida do sistema analítico;
  • um ponto que pode afetar a performance do analisador e da manutenção é a tecnologia e robustez com relação ao posicionamento do tempo instalado dentro do seu ciclo de vida. Mais uma vez uma análise de custo X benefício pode indicar que muitas vezes é melhor substituir do que manter.
  •  e outras ações específicas de cada caso.

Para saber mais sobre como aprender sobre analisadores industriais, sistemas de amostragem, monitoramento do desempenho e competências necessárias para trabalhar com analisadores veja o artigo Aprendendo sobre Analisadores Industriais.

Se você trabalha, pretende trabalhar com analisadores ou quer se aprofundar no assunto e melhorar sua empregabilidade nesta área, os cursos oferecidos pela Ianalítica podem ajudar a desenvolver conhecimento específico nesses equipamentos, capacitando-o para projetar, manter e diagnosticar falhas em sistemas analíticos instalados no processo.

Não quero aqui ser dono da verdade e nem definir verdades absolutas, todas essas questões sobre formação e perfil profissional para o profissional técnico em analisadores variam muito por região, por segmento, por estratégia de manutenção adotada e com o desenvolvimento tecnológico.

A mudança acontece, aprecie e preveja a mudança, adapte-se a ela rapidamente porque mudanças sempre acontecem.

A Ianalítica trabalha com treinamentos e fornecimento de serviço especializado para apoio técnica para seleção de analisadores, planos e procedimentos de manutenção. Entre em contato para receber uma proposta: contato@ianalitica.com.br

Deixe seu comentário abaixo relatando como é na sua região e seu ponto de vista sobre o tema manutenção dos analisadores industriais, este assunto está em aberto e o tema é cheio de desafios.

Outras postagens

Aprendendo sobre analisadores industriais

Aprendendo sobre Analisadores Industriais

Aprendendo sobre analisadores industriais. Visão geral sobre a aprendizagem com os Analisadores . O uso dos analisadores industriais, principais desafios, como a EAD ajuda na capacitação de profissionais para lidar com estes instrumentos de medição.

Saber + »

Aprendizagem Conectada

Copyright © 2020 Sergio Trindade

1 comentário em “Técnicos em Analisadores Industriais​”

  1. Excelente texto e iniciativa! Recomendo fortemente aos interessados em se aprofundar no tema INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA realizar cursos sob responsabilidade do Profissional Sergio Trindade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA ImageChange Image

I accept the Terms and Conditions and the Privacy Policy